Receba Novidades

A Constelação Sistêmica como método pacificador de conflitos

Constelação Sistêmica e Familiar é um método terapêutico filosófico e fenomenológico.

Desenvolvido pelo psicoterapeuta alemão Bert Hellinger, com fundamentos em leis arcaicas e naturais que regem as relações humanas, quais sejam, pertencimento, hierarquia e compensação, bem como na fenomenologia e teoria dos campos morfogenéticos de Rupert Shaldrake.

Através do qual são identificados emaranhados sistêmicos possibilitando um novo olhar para o conflito, com foco na solução.

 

O método da Constelação Sistêmica e Familiar

Observa-se que a Constelação Sistêmica e Familiar é um método inovador e empreendedor capaz de gerar resultados rápidos e humanizados, possibilitando uma melhor e mais eficaz solução e pacificação dos conflitos de toda ordem, especialmente no meio jurídico.

No Poder Judiciário ocorre uma sobrecarga de demandas judiciais, trazendo lentidão, ineficiência, injustiça e onerosidade à Justiça e ao cidadão que a procura para solucionar suas questões.

Surge então a necessidade de se buscar meios alternativos e adequados para a solução dos conflitos, não só para dar uma resposta ao mesmo, mas sim solucionar e pacificar a relação humana ali existente.

 

Praticando o modelo da Constelação

O emprego da Conciliação e da Mediação possibilitou uma abordagem diferenciada, porém, a sentença judicial, muitas vezes não se mostra efetiva, gerando novos conflitos e processos.

Neste sentido, surgiu a Constelação Sistêmica como uma forma efetiva de atendimento humanizado.

A fim de proporcionar às partes uma melhor percepção do seu conflito, bem como fazendo com que cada parte assuma conscientemente sua responsabilidade no mesmo, de forma autônoma.

Sem a imposição de um terceiro na construção da solução, evitando, desta forma, novos processos.

As Varas de Família

Seus impactos e benefícios aparecem notadamente no Judiciário, aonde vem sendo aplicada em:

  • Varas de Família, em processos de divórcio, alimentos e guarda de filhos, alcançando altos índices de acordo;
  • Área penal, na conscientização dos detentos sobre sua responsabilidade no delito, o que tem diminuído o número de casos de reincidência criminal;
  • Educação, para atender a demanda de formação de pessoal, através da criação de cursos lato sensu de especialização em Direito Sistêmico;
  • Empresas, na ampliação das percepções, resultados mais eficazes, mapeamento de oportunidades e novas opções de ação, construção de soluções sustentáveis, de consenso, equilíbrio e fluxo;
  • Saúde, como Prática Integrativa e Complementar no Sistema Único de Saúde – SUS atuando no alívio de sintomas.

 

Constelação Sistêmica: o fator inovador

A Constelação Sistêmica se revela como Inovação Social, posto que diagnosticar e solucionar problemas é o seu principal objetivo.

Dito de outra forma, o método facilita a identificação da origem dos conflitos e aponta para uma solução conscienciosa e pacífica que abrange o indivíduo e todo o sistema no qual está inserido.

Enquanto Inovação Social na resolução de problemas e conflitos, a Constelação Sistêmica vem se expandindo cada vez mais no Brasil e no Mundo.

Notadamente no Judiciário, necessitando estudos sobre sua aplicabilidade, eficiência e resultados, sobre os impactos causados na sociedade e ainda, de uma regulamentação legal para sua prática.

Ela revela dinâmicas de comportamento ocultas existentes nos sistemas familiares ou organizacionais que geram conflitos e sofrimentos a partir da repetição de padrões comportamentais.

 

A implementação da Constelação Sistêmica

O método tornou-se conhecido no meio jurídico por meio do então juiz de direito, Dr. Sami Storch, do TJBA.

Cujo projeto, pioneiro no Brasil e no Mundo, com a utilização da Constelação Sistêmica em casos judicializados, revelou resultados surpreendentes.

Vindo o mesmo a ser premiado pelo Conselho Nacional de Justiça como método auxiliar na composição amigável dos conflitos junto com a Conciliação e a Mediação.

 

Aplicação social

No âmbito social, a Ordem dos Advogados do Brasil promove estudos sobre a Constelação Sistêmica e Familiar através de suas Comissões de Direito Sistêmico.

Que, atualmente, no Brasil, alcançam 109 comissões, segundo dados da OABSC, distribuídas em 20 Estados e no Distrito Federal.

O Ministério Público também tem promovido vivências de Constelação Sistêmica em casos ainda não judicializados que buscam a sua intervenção.

Algumas Universidades, como a Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais – PUCMG, Universidade Municipal de São Caetano do Sul – USCS, Faculdade Innovare, Unifae, CEFATEF, Unileya, Verbo Jurídico e outras, já oferecem Pós-graduação Lato Sensu em Direito Sistêmico e/ou Constelação Sistêmica Familiar.

 

Constelação Sistêmica no empreendedorismo

Nas empresas, a Constelação Sistêmica atua como método avançado de diagnóstico de conflitos possibilitando a identificação dos emaranhados sistêmicos e sua colocação em ordem.

De forma a restabelecer o equilíbrio nas relações entre patrões e empregados, prestadores de serviço e fornecedores, escolha de produtos, dentre outras.

Muitos são os benefícios da Constelação Sistêmica, como:

  • rápida identificação da origem dos conflitos e empoderamento das partes envolvidas para alcançar a solução;
  • pacificação não apenas das partes envolvidas no conflito, mas do sistema a que ambas fazem parte; alívio de sintomas;
  • dentre outros, mas também os riscos, como exposição de pessoas a profissionais pouco qualificados, haja vista não haver regulamentação como profissão;
  • falta de assistência complementar após a sessão, o que às vezes pode desencadear processos depressivos;
  • no Direito, há o risco da não aplicação de uma estrutura formada por regras, princípios e jurisprudências em detrimento de um livre convencimento do juiz a partir do que ele observa por meio da técnica, etc.

 

Método ideal

Conforme demonstrado, a Constelação Sistêmica e Familiar se revelou um método inovador e pacificador de conflitos em expansão principalmente no meio jurídico.

Sua aplicabilidade está respaldada em Resolução do Conselho Nacional de Justiça e no Código de Processo Civil onde se aplica como meio alternativo de resolução de conflitos.

 

A regulamentação na Constelação Sistêmica

Necessita, por óbvio, regulamentação específica para sua utilização principalmente no meio jurídico.

Especialmente quanto à sua eficácia, a formação de seus aplicadores, tempo e requisitos de formação, posturas éticas, deveres e obrigações das partes envolvidas, dentre tantas outras questões relevantes.

Atualmente, na aplicação da Constelação Sistêmica no meio jurídico, por falta de regulamentação específica, são observados princípios éticos da Mediação e Conciliação, métodos já regularmente aplicados na solução de conflitos jurídicos.

O método da Constelação Sistêmica e Familiar ganhando espaço

Fato é que a Constelação Sistêmica e Familiar vem ganhando espaço nos Tribunais, em Empresas, em Escolas, em Organizações e até mesmo na Saúde como prática integrativa complementar.

Não há como negar seus benefícios assim como não há como negar seus riscos quando não observados princípios éticos e qualificações adequadas.

Faz-se necessário um estudo qualificado sobre a técnica bem como a sua regulamentação legal, de modo a trazer segurança jurídica para as partes a ela submetidas.

 

 

Esse texto sobre A Constelação Sistêmica como método pacificador de conflitos foi criado por Vanessa de Paula.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *