Receba Novidades

O mediador e seus papéis: Adaptação jurídica nos tempos modernos

Com adaptação jurídica nos tempos modernos papeis passam a ganhar grande relevância: como no caso do mediador.

 

Mediador

O papel do mediador será de suma importância nos tempos presentes e futuro.

O cenário da pandemia do COVID-19 acentuou o que já seria uma tendência de mercado.

Pois é sabido que o sistema atual hora ou outra não teria mais encaixe em muitos cenários e acontecimentos que demandam uma inovação.

 

Solução de conflitos

Os conflitos sempre foram existentes e sempre existirão em qualquer esfera, o que muda são as formas de solucioná-los.

Pois a advocacia tradicional já não atende à todas as necessidades e demandas exigidas no mundo dinâmico que vem se reformulando dia pós dia.

O mundo atual exigirá e já exige novas habilidades e competências, tanto do judiciário quanto dos operantes do Direito.

 

Novas tecnologias no Direito

Entende-se como ultrapassada e primitiva a aplicação do Direito com o uso de textos teóricos, com pouca prática, decorar textos, códigos e artigos, de modo que o Direito perde sua essência.

Deste modo, já surgem novas tecnologias, como o uso da robótica em substituição a alguns atos praticados outrora somente por advogados ou operantes humanos.

A precisão dos robôs e da tecnologia avançada pode mesmo ocupar o lugar de seres humanos falhos que não se adaptarem às novas tendências.

Pois o meio virtual está cada vez mais rápido e simultâneo, ajudando o que nos dias atuais temos de mais precioso: o tempo!

 

Inteligência artificial

Logo, a inteligência artificial poderá ocupar o lugar dos que não se atualizarem.

Em alguns países os “Supercomputadores” como Watson já são realidade, as demandas se resolvem em tempo recorde, as pesquisas necessárias são feitas em segundos.

O termo advogado robô não é só mais uma ficção.

 

Usando a tecnologia a favor

Vimos que a maneira de melhor se adaptar para não ser extinto do mercado e sistema futuro é saber usar a inteligência emocional que a tecnologia não consegue alcançar.

Daí surgem três figuras de suma importância:

  • Mediação/Conciliação/Arbitragem.
  • Mediação

A mediação é um método extrajudicial de resolução de conflitos.

Dentro desse método existirá o profissional, que receberá a nomenclatura de mediador e que deverá ser imparcial ao que está sendo debatido.

 

Mediador

O mediador é um especialista em determinadas técnicas de negociação e comunicação.

Atua como um terceiro imparcial e costuma ser indicado pelas partes envolvidas no acordo.

A função desse profissional não é a de propor soluções, mas de intermediar e facilitar o diálogo entre as partes que estão em desacordo.

 

O mediador atuando

A atuação do mediador está estritamente ligada ao âmbito do direito.

Entretanto a formação acadêmica de bacharel em direito não é obrigatória.

Uma pessoa graduada há mais de dois anos em qualquer curso superior pode se tornar um mediador de conflitos.

Todavia um curso de mediação de conflitos será necessário para que o profissional se especialize na área e possa atuar.

 

A alternativa viável

Desde que a atividade de mediação passou a ser estimulada pelo novo código de processo civil (2015) como uma alternativa viável à resolução de litígios, a procura por bons cursos de mediação de conflitos aumentou consideravelmente.

 

O papel do mediador

O mediador deverá assumir um papel neutro, desprendido de eventual outra condição profissional (assistente social, psicólogo, advogado etc.).

Devendo sempre agir apenas como facilitador entre as partes discordantes para resolver a situação da melhor forma possível e em um período mais curto também.

Se acordado entre as partes, estes também poderão ser acompanhados por seus advogados, ou mesmo outros especialistas no assunto tratado, se assim fizer necessário.

 

Cautela

Só é preciso certo cuidado, pois, algumas vezes, cria-se certa dificuldade em se mediar na presença desses profissionais.

Quando for necessário, o mediador também poderá efetuar algumas consultas com outros especialistas.

Melhorando assim o esclarecimento e orientação sobre a situação proposta entre os solicitantes.

 

Apenas a mediação

É importante ressaltar que mediador não é juiz, advogado, policial, médico ou psicólogo.

Ou seja, não está ali para punir, defender, corrigir ou aconselhar os envolvidos, e sim mediar as discussões e conduzir o processo para uma resolução amigável.

Em contrapartida, o mediador poderá ter papel passivo e se limitar a simplesmente facilitar a comunicação.

Ou mesmo um papel mais ativo e ajudar, se necessário, na negociação.

Assim como na resolução dos conflitos e busca de alternativas.

Esse tipo de ajuda é focado especialmente em guiá-los no problema, evitando divagações.

 

Sabendo lidar com todas as partes

É importante também que o mediador saiba lidar bem com os envolvidos, não permitindo que um se coloque acima do outro, evitando dessa forma uma possível relação de poder unilateral.

Por fim, ele vai auxiliar nas ampliações de alternativas que possam resolver ou prevenir todo tipo de conflito, buscando, juntamente das partes, soluções que possa atender a todos.

A carreira de mediador é interessante para quem já tem formação em outras áreas como: assistente social, sociólogo, psicólogo, advogado.

Obviamente, você não precitar ter uma dessas formações para atuar como medidor.

 

A formação do mediador

Normalmente, o mediador possui um bacharelado completo e uma formação em mediação.

Nos Estados Unidos da América e Canadá muitos mediadores fazem mestrados com ênfase em métodos alternativos de resolução de conflitos.

Independentemente de você estar se preparando para a carreira de mediador por cursos rápidos, especialização ou mestrado em mediação.

Você precisará desenvolver diversas habilidades.

 

Habilidades do mediador

  • Escuta ativa;
  • Questionamento esclarecedor;
  • Inteligência emocional;
  • Habilidade de resumir e organizar ideias;
  • Empatia.

 

Área de atuação do mediador

Esse é um rol mínimo de habilidades necessárias e várias outras dependerão de como você realizará seu trabalho como mediador.

Por exemplo, um mediador que atua na área privada pode precisar saber vender seus serviços e captar clientes.

A área de atuação do profissional da mediação ainda é um campo aberto e pouco explorado.

Caso você queira enveredar por esse caminho, existe uma gama enorme de oportunidades.

Veja abaixo as vantagens de ser um mediador.

 

Conheça mais sobre a Lei de Mediação.

Alta necessidade de mediadores devido à demanda reprimida de profissionais nessa área.

Por ser uma atividade tecnicamente nova, mas com uma alta demanda de profissionais, a mediação é um dos melhores campos para se trabalhar.

Isso implica dizer que um mediador bem qualificado não terá dificuldades em atuar no mercado.

 

Tendência a uma maior remuneração financeira

O novo código de processo civil, instituído em 2015, estimula a atuação do mediador, como citado anteriormente.

Antes desse pronunciamento positivado na letra da lei, muitos mediadores trabalhavam de forma voluntária, ou com uma remuneração muito baixa.

Todavia a tendência é uma crescente valorização do trabalho, devido à categorização da profissão pelo CPC (2015).

 

 

 

Esse texto sobre O mediador e seus papéis: Adaptação jurídica nos tempos modernos foi criado por Mariana Contente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *